COMO ESCREVER MELHOR | 10 dicas para começar a escrever hoje com três exercícios de escrita criativa no final

Hoje eu vou dar dez dicas de escrita para você começar a escrever hoje! E se você já escreve, essas dicas vão te ajudar a escrever muito melhor. Elas mudaram a minha vida.

E no final eu vou deixar três exercícios de escrita criativa para você já começar a escrever assim que o vídeo terminar.

Essas dicas de escrita criativa que eu trouxe hoje para você estão presentes nesse livro aqui Escrevendo com a Alma da Natalie Goldberg.

Esse livro foi leitura obrigatória na minha primeira aula na pós graduação de formação de escritores. Ele é dividido em muitos capítulos e a Natalie conta sobre sua experiência como uma Zen budista e escritora. Eu achei muito interessante como elas juntou essas duas coisas e trouxe de forma muito divertida nesse livro.

Ela deu muitas dicas de escrita e também propôs diversos exercícios de escrita ao longo da narrativa. Eu li ele inteiro e anotei o que fazia sentido para mim e o que eu achei que poderia fazer sentido tanto para escritores iniciantes, quanto para escritores mais experientes. Então eu fiz esse compilado com as 10 dicas que eu achei essenciais e que eu usei no meu dia a dia e também que me fizeram mudar de pensamento em relação a escrita.

Como eu já disse, fica até o fim que eu vou disponibilizar 3 exercícios de escrita criativa, para você começar a escrever hoje!

COMO ESCREVER MELHOR | 10 dicas para começar a escrever hoje!

1. Escrever não é preparar um hambúrguer do Mc Donalds.

Quando vamos a um fast food queremos a comida o mais rápido possível nas nossas bocas, né? E é muito justo que a gente queira isso, pois essas lanchonetes foram projetadas para entregarem a comida muito rápido. Isso é muito comum na nossa vida moderna, nós temos informações diariamente nos nossos celulares e queremos respostas imediatas para tudo. Mas a escrita é lenta, é devagar, vai requerer muito do seu tempo, sem um retorno imediato.

Essa primeira dica foi muito importante para mim que sou uma pessoa ansiosa que quer tudo para ontem. Estou aprendendo a ser mais paciente e respeitar o meu processo. Sempre que estou desesperada porque não tenho um livro pronto, editado, e publicado depois de três anos escrevendo, eu lembro que a Virginia Woolf levou 7 anos para escrever seu primeiro livro. Inclusive falo disso nos 50 fatos sobre ela, vou deixar o link aqui!

Então, respeite seu processo, você vai terminar o livro na hora que achar que deve. Não se desespere por uma publicação, ou para fazer dinheiro em cima dele. Apenas escreva e pense que você está cozinhando um belo prato de comida de um restaurante chique, ok?

2. Traga detalhes originais para sua história.

Essa é uma tecla que eu bato em todos os meus vídeos com dicas de escrita criativa, você tem que ser específico nas suas histórias, você tem que dizer o nome das coisas sabe?

Por exemplo: você quer escrever sobre o suco maravilhoso que você tomou. Você não vai dizer apenas: “nossa, tomei um suco gostoso”. Você vai dizer: “Tomei um suco de morango com laranja que estava doce e azedo na medida certa e assim que eu tomei senti meu corpo se refrescar.” Entende?

Algo foi maravilhoso, ou terrível? Sim, mas nos deixe provar esse sabor gostoso ou terrível. Crie sensações e detalhes originais e dê nomes a tudo, chega de generalizações.

3. Escrever é 90% ouvir.

Essa é uma dica que escutei nas aulas da pós também. Nós como escritores temos que ser curiosos, temos que estar sempre prestando atenção nas pessoas e em suas palavras. Mas além disso, temos que escutar o barulho da rua em movimento, do vento batendo na janela e das crianças brincando no jardim. A escuta deve ser ativa e sem julgamentos.

Segundo a Natalie Goldberg a audição é receptividade, e quanto mais profundamente ouvirmos melhor vamos escrever. Assimilando as coisas como elas são sem julgamento-las.

PARA VOCÊ SER UM BOM ESCRITOR TEM QUE FAZER 3 COISAS: LER BASTANTE, OUVIR COM ATENÇÃO E ESCREVER MUITO!

Me conta nos comentários se você faz essas três coisas!

4. Fique ao lado da precisão.

Quando começamos a escrever um mundo de diversas possibilidades se abrem diante de nossos olhos. Uma história pode se desmembrar em várias, mas nós temos que manter o foco e sermos precisos naquilo que queríamos fazer desde o início. Claro que podemos mudar de ideia ao longo do caminho isso é comum, mas não podemos mudar de ideia a cada nova possibilidade que a narrativa apresentar.

Foque nos objetivos que você quer alcançar com aquela história, sem cair nas emoções que estão dentro de você e não dentro dos personagens, eu sei que às vezes é sedutor seguir caminhos verborrágicos e colocar nossa opinião ao longo do texto, mas tentemos ser objetivos, cuide dos detalhes e das descrições mas não deixe que elas sejam o foco principal de sua história.

5. Arrisque-se! Só alcança o sucesso quem não tem medo do fracasso

Você sabe que pode escrever sobre absolutamente o que você quiser? Você não precisa de nenhum tema genial e também não precisa se manter fechado na linearidade. Você pode brincar. Pode misturar ideias e frases, pode colocar características malucas nos seus personagens, pode escrever frases sem nenhum tipo de noção.

Quando começamos a escrever temos medo de não seguir o que já foi pré estabelecido e nos perdemos dentro de nós mesmos, então brinque muito antes de focar em algo mais concreto. Escreva textos malucos e se divirta! Seu texto não precisa ser o que esperam de você.

6. O escritor é tudo ao mesmo tempo.

Essa dica é uma espécie de lembrete e é uma das minhas preferidas. Quando eu descobri isso eu fiquei muito feliz e entendi muitas coisas sobre mim. Eu nunca tive certeza do que eu queria ser na vida, na verdade, eu sempre quis ser muitas coisas: cantora, advogada, juíza, estilista, líder de uma banda de rock só de mulheres. Algumas coisas eu tentei, outras não. Mas foi com a escrita que eu descobri que poderia ser todas essas coisas. Eu poderia ser uma arquiteta, uma chefe de cozinha e uma artista plástica de sucesso. Poderia até ser uma viajante no tempo, como estou fazendo no meu novo livro A vida infinita.

E isso não é incrível? Temos que lembrar que podemos ser o que quisermos e depois podemos deixar de ser sem aviso prévio, na escrita podemos criar a vida a nossa maneira. Por isso eu digo que para sermos escritores temos que ser curiosos sobre tudo e termos uma boa bagagem de cultura inútil que em algum momento elas vão servir perfeitamente para algum personagem.

7. Construir frases afirmativas

Eu tenho muito essa tendência de criar frases fracas usando: acho que, acredito que, talvez eu vá. Isso porque eu faço isso na minha vida. Acredito que muitas das coisas que digo passam pelo meu filtro e outras pessoas pensam diferente. Isso se reflete no meu texto, mas essas frases pouco confiantes enfraquecem o texto. Hoje eu tento sempre colocar meu ponto de vista com clareza, tanto na vida real quanto nos meu textos.

Você pode praticar em casa, quantos talvez você usa nos seus contos e histórias? Corte eles, corte as frases que parecem dizer algo e não dizem nada, corte as coisas indefinidas, deixe só as certezas. Só as frases afirmativas. Mas não se preocupe se você ainda usa esse tipo de palavra ou frase, em um segundo momento você pode cortar elas e deixar o texto muito mais forte.

8. A tarefa do escritor é dar a vida ao comum

Você pode achar que sua vida não é interessante, que os assuntos que você gosta não valem à pena serem escritos. Você pode até achar, quando está bem deprimido em relação a sua escrita, que tudo que você escreveu está comum e sem graça. Isso acontece comigo sempre. O que a gente tem que colocar na nossa cabeça é que a nossa tarefa como escritores é colocar graça naquilo que parece absolutamente comum.

Nós temos que aprender a escrever sobre xícaras de café e dias cinzentos. Alfaces podem estar presentes na sua história assim como cenouras. O básico é importante, o dia a dia é importante, então não se preocupe se você escreve sobre coisas comuns, pois são elas que criam conexões.

9. Leia muito.

Bom, essa dica é uma daquelas universais. Se você quer escrever um romance realista tem que ler muitos romances realistas, se quiser escrever contos de terror tem que ler muitos contos de terror. Não tem segredo, você tem que estudar o que já foi feito antes. É muito comum encontrar escritores que não querem ler, ou que leram pouco, e isso é um erro que muitos escritores cometem. Eu vejo isso nas aulas da pós, os colegas que leram mais tem textos melhores. É só com a leitura que aprendemos a escrever, porque é assim que vemos o que funciona e o que não funciona, o que nos inspira e o que devemos deixar de lado.

Por isso digo para você ler muito daquilo que você quer escrever, eu, por exemplo, estou escrevendo um livro sobre viagens no tempo, então, tenho que ler o máximo possível de livros que falem sobre viagens no tempo e ficção cientifica. Eu confesso que não estou fazendo isso, o que é um grande erro meu e inclusive, hoje mesmo vou começar a ler algum livro que esteja dentro dessa categoria. Então, leia muitos contos se você quer escrever contos, leia muitos ensaios se você quer escrever ensaios, e leia muitos romances de formação se você quer escrever um romance de formação.

10. Não é bom começar um livro e depois parar.

Acho que essa é uma dica importante para a vida! Se começar algo vá até o fim. Eu enfrentei esse problema ao longo de toda a minha vida, sempre fui de desistir fácil. Já comecei diversos blogs e nunca dei continuidade a nenhum, começava animada em vários empregos e depois de sete meses já estava louca para ir para outro. Isso impediu meu crescimento e minha consolidação em diversos setores da minha vida. Mas com a escrita foi diferente, quando escrevi meu primeiro livro eu decidi que iria até o final. Decidi que não desistiria, assim como o canal no Youtube, a página no instagram e esse blog. Porque é isso que eu quero para minha vida, quero crescer no digital, quero ser uma escritora publicada, então não vou desistir.

Então, se você realmente quer ser um escritor e começou um livro mas está pensando em parar não faça isso! Continue até o fim, mesmo que você esteja odiando ele. Termine. Depois pense em corrigir e editar. Mas se você tiver diversos rascunhos começados e nenhum terminado, você não vai ter nada, só muitas ideias com um começo e sem um fim e isso se torna um hábito. Se você não terminar seu primeiro esboço por mais horrível que seja você nunca vai escrever algo bom. Infelizmente, é assim que funciona com tudo na vida e aos poucos eu estou aprendendo a não desistir, espero que você vá até o final também.

Se você está com dificuldade para escrever seu primeiro livro vou deixar um link aqui onde eu te ensino um passo a passo para você escrever seu primeiro livro!

Bom, essas foram as dicas que eu tinha para dar para vocês, elas foram muito esclarecedoras para mim e espero que você tenha gostado, me conta nos comentários o que você achou.

Três exercícios de escrita criativa para você desbloquear a escrita e começar a escrever hoje!

Primeiro eu vou citar as sete regras de escrita criadas pela Natalie Goldberg e você vai seguir essas regras durante os três exercícios. Essas regras e os exercícios que eu trouxe hoje foram pensados para você soltar suas mãos, sabe? Para você conseguir escrever do zero. Então, é ótimo para quem nunca escreveu ou para quem escreve pouco no dia a dia. É para você colocar a mão na massa e sentir o gostinho da escrita. Funcionam também para escritores de todos níveis, eu inclusive faço isso quando estou com algum texto emperrado, me ajuda a desbloquear a escrita.

Você pode fazer em um caderno, a Natalie Goldberg recomenda que você tenha um caderno só para isso, mas eu costumo escrever no computador mesmo, no word, ou no bloco de notas, vai de você, o que preferir. Acho que no caderno você vai acumular mais material, o que é ótimo para quem está começando.

Bom, as seis regras de escrita que vieram direto do livro Escrevendo com a alma da Natalie Goldberg, são:

  1. Mantenha a mão em movimento. Não pare para reler a linha que acabou de escrever. Isso é retardar e tentar controlar o que você está dizendo.
  2. Não rasure. Isso é editar enquanto escreve. Mesmo que escreva algo que não pretendia escrever, deixe como está.
  3. Não se pretenda a ortografia, pontuação, gramatica. Tampouco se prenda às margens ou às linhas da página.
  4. Solte o controle.
  5. Não pense. Não tente ser lógico.
  6. Pegue na veia. Se surgir algo muito forte ou muito chocante no seu texto, mergulhe fundo. É provável que ali exista uma grande fonte de energia.

É muito importante respeitar essas regras porque elas vão acabar com a censura e a vontade de escrever direitinho que existe dentro de você. É uma forma de deixar o medo de lado e escrever, entende? Escreva sem pensar muito.

  1. O primeiro exercício é bem simples, você vai escrever sobre a luz que está entrando na sua janela, é dia? É noite? A luz é amarela, ou azul? O que ela te provoca? E não se preocupe se está de noite e nem uma luz está entrando, você pode inventar essa luz e o que você vê nela. Ok?
  2. O segundo exercício vai começar assim: você escreve em uma folha em branco EU ME LEMBRO e depois continua, deixa fluir. Pode contar tudo que vem em sua mente e não importa se a coisa aconteceu ontem ou vinte anos atrás, conte tudo exatamente como você se lembra. Faça isso por dez minutos, se por acaso você emperrar e não conseguir dar continuidade aquela lembrança que você iniciou o texto, pode começar de novo com EU ME LEMBRO até dar os dez minutos total.
  3. O terceiro exercício é a resposta para a pergunta: QUAIS SÃO SEUS SONHOS MAIS ÍNTIMOS? E além de narrar isso você também vai entender um pouco melhor sobre si e sobre o que você quer na escrita, o que você quer sobre o seu futuro no geral. Escreva sobre o que você mais deseja. Pode fazer isso por cinco minutos.

Bom, esses foram os exercícios, e se você quiser me contar nos comentários sobre o que você escreveu, sobre o que achou dessa experiência, pode ir lá. Se quiser deixar o textinho que você escreveu nos comentários também, posso comentar um pouco sobre eles, tá bem?

Espero que tenha gostado dessa experiência e em breve teremos um curso completo de escrita criativa para você.

AUDIO LIVRO VALE À PENA? Minha experiência com audio books! o app STORYTEL é bom? Audible, Ubook, etc

Eu tenho escutado muitos livros ao invés de ler eles! Escuto quando estou dirigindo, escuto quando estou na academia, escuto quando estou trabalhando.

Nesse artigo vou falar um pouco sobre a minha experiência com áudio livros. Audio book vale à pena?

Bom, faz alguns meses que eu descobri o Storytel, minha prima Juliana postou que tava escutando os livros do Harry Potter em inglês e fiquei muito curiosa. Ela me disse que aquilo estava ajudando ela a conhecer mais livros quando não tinha tempo para ler. E eu estava em um momento em que era muito difícil ler também, minha cabeça não ocava nas palavras escritas, sabe? Então, achei que seria uma boa tentar.

Eu amei! No começo foi difícil para o meu cérebro entender que aquilo era diferente dos podcasts que eu estou acostumada a ouvir, sabe? Eu amo escutar podcasts, mas aquilo era um livro que estava sendo lido em voz alta e não por mim, mas por outra pessoa.

Era diferente, mas depois a gente se acostuma, pelo menos eu me acostumei e passei a fazer tudo escutando esses audio books. Ia para academia escutando, saia para caminhar escutando, o que era muito curioso, porque eu tava lá puxando ferro escutando sobre a sociedade inglesa em Orgulho e Preconceito. Mas o que eu mais gosto de fazer é trabalhar escutando o audio book, eu faço cerâmica, e se você quiser conhecer minhas peças de cerâmica é só entrar nesse link aqui!

Mas eu não gosto de escutar quando eu poderia estar lendo, tipo, quando estou tranquila à noite e posso pegar um livro. Porque eu ainda acho que a experiência de ler é muito superior, sabe? Tipo, eu escutei A pequena outubrista da Linda Boström Knausgård que tem muitas idas e vindas de pensamento, por isso acredito que a leitura seria muito mais prazerosas. Assim como o livro A vagabunda da Collete que é super poético, acabou ficando chato por conta da linguagem, entende? A leitura poderia ter sido mais prazerossa do que escutar. Mas por exemplo escutar Harry Potter tem sido muito interessante, porque a história prende, né? É uma trama que prende, assim como Orgulho e Preconceito, foi muito legal escutar, porque a trama fala mais do que a linguagem.

Por isso, eu acho que livros que tem uma trama mais trabalhada funciona melhor como audio livro do que os livros que trabalham a linguagem, por exemplo, acho que eu não escutaria Virginia Woolf, ou James Joyce, porque eles são muito focados na linguagem e na construção do texto. Mas quero ler tudo que tem do Stephen King, porque sei que são histórias com tramas incríveis.

Então, eu acredito que é muito importante você entender qual experiência que você quer com o audiobook. Eu quero escutar livros com tramas que me prendam enquanto eu faço academia, dirijo e trabalho. Livros com a linguagem mais complexa, ou com narrativas mais paradas eu prefiro ler e não escuto.

O aplicativo STORYTEL é bom? Audible, Ubook, etc

O aplicativo que eu uso é o storytel e eles tem uma seleção incrível de títulos, tanto em português, quanto em inglês. Eu baixei pra escutar livros em inglês, para poder treinar a língua, sabe? Mas descobri que tem tanto livro em português que às vezes eu fico tentada a escutar eles também. Então, eu meio que intercalo, um livro em português e um livro em inglês.

Eu comecei a usar o 7 dias gratuitos e gostei bastante por isso assinei. Pago 14,90 por mês e além de audio books eles também tem ebooks. Mas eu nunca li um ebook por eles, porque eu tenho um Kindle e acabo recebendo muitos ebooks da campainha das letras então prefiro ler no Kindle né?

Enfim, eu não tive experiência com outros aplicativos mas sei que tem um monte né? e eu penso que quando eu já tiver escutado tudo de interessante que tem no storytel eu posso mudar de aplicativo também, gosto de ter essa liberdade, sabe?

Bom, essa foi minha experiência com audio livros do Storytel! Para saber mais assista o vídeo: