Viajando Sozinha Pela Primeira Vez

Letreiro em Londres na Carnaby Street

Letreiro em Londres na Carnaby Street

Desde que me entendo por gente eu sonho em conhecer o mundo. Quero ver lugares, pessoas, sabores e aromas diferentes. Sempre acreditei que ficar em um único lugar a vida inteira era pequeno demais para mim. Sabia que poderia rodar por todos os continentes e encher minha cabeça de conhecimentos e histórias. Confesso que tive medo, era nova demais e estar sozinha longe de casa me assustava. Por sorte eu me desafiei e fui atrás do meu sonho pela primeira vez na vida.

Nessa época eu ja morava sozinha em uma cidade grande, mesmo assim eu nunca fiquei mais de cem quilômetros de distância da minha família. Até que eu terminei um relacionamento longo e decidi: é hora de ir para um lugar desconhecido. Conversei com meus pais e eles aceitaram me apoiar nessa – como eles disseram – loucura.

Tinha dezenove anos quando sai do pais pela primeira vez, o destino: Londres. Fui fazer um curso de inglês e moda por um mês. Escolhi fazer todo processo por uma agência, e dois meses depois eu senti aquele frio na barriga enquanto embarcava. Foram quatorze horas até a cidade dos meus sonhos, durante o voo eu comecei a experimentar essa nova cultura. As “guloseimas” servidas no avião da British Airways eram completamente diferentes dos daqui. E eu estava encantada.

img_6997

Depois do empurrão inicial tudo fluiu, o medo se dissipou, foi tão fácil quanto viver em São Paulo – até mais – eu podia ir e vir com muita facilidade. Conheci pessoas que guardo no coração até hoje, fui a lugares que nunca imaginei ir e vi estilos e roupas completamente diferentes. O cheiro da cidade era uma mistura de selvagem e urbano, o clima era leve e fresco e a multidão era inimaginável.

Estar sozinha la – e pela primeira vez – me ensinou que eu consigo fazer coisas por mim e que é uma delicia levar meus pensamentos para passear. Estar sozinha me mostrou que se estou bem comigo tudo vai bem e não é necessário me rodear de pessoas para ser feliz. O sentimento de liberdade é o meu preferido, pois ele me trouxe alegrias, descobertas e me fez ver que o mundo vai muito além do meu umbigo. Aprendi a respeitar pessoas pelo o que elas são, suas histórias e vivências. Ninguém é igual a ninguém e só vemos isso depois que saímos de casa.

Me descobri uma mulher forte – não mais uma menina – que poderia ganhar mundo. Se eu puder dar um conselho para você que está me lendo é: Vá viajar sozinha! Não existe nada melhor.

img_7003img_7004img_7007.jpg

Me conta como foi sua primeira experiência viajando sozinha? Vou adorar saber ❤

Os Melhores Bairros Para Passear em Londres – Intercâmbio Londres 2013

Londres é uma cidade imensa, como se fosse uma São Paulo elegante, cheia de bares, lugares, lojas, uma cidade que não dorme. Muita agitação, muito conteúdo, muita coisa para ver e fazer. No meu tempo livre eu andava por Londres para descobrir coisas novas. Entre todos os bairros maravilhosos que estive três deles me chamaram a atenção: Camden Town, Notting Hill e Covent Garde, bairros bem conhecidos, que apesar de estarem na mesma cidade são bem diferentes.

Escrevi sobre cada um deles abaixo:

Camden Town

Um bairro bem badalado, sempre cheio de turistas, e é, com certeza, o lugar que você vai ver todo o tipo de coisa e gente. Escutei muito português, espanhol, inglês, e diferentes tipos de idiomas. Camden é um dos bairros mais turísticos de Londres e o que atrai pessoas para essa região são os seus mercados. Cinco mercados diferentes que encontrei artesanato, marcas locais, comidas tipicas de vários países, antiguidades, livros, objetos de decoração e muito mais. Claro que, como em todo mercado, temos que garimpar. Tem muita coisa boa e, também, muita coisa ruim. Camden era o centro da cultura alternativa de Londres, abrigou punks, góticos, metaleiros, que ainda estão por lá. Reserve o dia inteiro para andar por lá, pois tem muito para ver. Se quiser fugir da bagunça vá em um dia da semana.

Como chegar em Camden Town: 

Estações de metro Camden Town e Chalk Farm Station, ambas na Northern Line (preta). 

Notting Hill 

Um bairro super simpático, cheio de casas coloridas, arquitetura elegante e simples, perdi a oportunidade de tirar mais fotos, mas afirmo, esse bairro é completamente diferente de Camden… são opostos. Mas eles tem uma coisa em comum, os mercados de rua. Em Notting Hill a estrela é o Portobello Road Market, cheio de antiguidades, comidinhas gostosas e acessórios. É, com certeza, um dos melhores lugares para se fazer compras em Londres, para quem gosta de brechós e coisas antigas como eu, simples, menor – que os de Camden – e com certeza mais fácil de encontrar coisinhas fofas. Ele acontece todo sábado e é perfeito passear por lá. Além do mais, os prédinhos coloridos, as ruas que parecem cenários de filmes, estão sempre lindas e limpas. Notting Hill é um bairro muito charmoso e acolhedor, senti uma vontadezinha de morar ali.

Como chegar em Notting Hill:

Desci na estação de metrô Notting Hill Gate, que fica nas linhas Central, District e Circle (Vermelha, verde e amarela), e depois segui o fluxo de pessoas, que por sorte estavam indo para o Portobello Road Market. Sempre que viajo gosto de ficar solta e não seguir caminhos pré determinados e esbarrar em coisas legais durante o processo.

Covent Garden

Covent Garden é meu bairro preferido de Londres, pois está cheio de teatros, paralelepípedos, flores, plantas, pessoas, lojas e pracinhas. Todos os dias depois da aula ia andando até la, para ver as lojas, os artistas de rua, as casas, as artes. Sempre lotado de gente, é um bairro extremamente turístico e conhecido, é lá que acontece as super estréias do cinema em Londres.


Como chegar em Covent Garden:

Estação Covent Garden, Piccadilly Line (Azul escuro).


Intercambio Londres 2013 – Guia Completo:


1. Intercâmbio, Londres 2013 – Primeiras impressões

2. Minha experiência na Universidade de Artes de Londres

3. Os melhores bairros para passear em Londres.

4. Brighton e sua praia de pedrinha!

5. Dois Lugares Mágicos – Bath e Stonehenge.

Minha experiência na Universidade de Artes de Londres (UAL) – Intercâmbio Londres 2013

A Universidade de Artes de Londres (University of the Arts London) oferece muitos cursos de verão interessantes como Visual Merchandising e Fashion Photography que pareciam ótimos, mas escolhi estudar na Central Saint Martins, uma das melhores faculdades de moda do mundo, e o único curso de verão que eles ofereciam era o de Fashion Design.

Se não fossem tão caros voltaria para fazer todos.

Foram 30 dias puxados de aulas, de manhã eu estudava Fashion Design em Brick Lane e à tarde eu ia para o centro de línguas da UAL em Holborn. Tive dois professores excelentes, bem didáticos e experientes que foram muito além da matéria, nos ensinaram sobre a cultura, costumes e estilo de vida dos Londrinos. Até o sotaque nós aprendemos.

Estudando em Brick Lane

Brick Lane é o novo centro de arte e cultura de Londres, lá encontramos as melhores artes de rua e as pessoas mais estilosas, por isso a universidade fez o campus de moda lá. O professor era um estilista londrino que nos ensinou um pouco do seu trabalho e processo criativo. Estudamos: tecidos, marcas de baixo, médio e alto padrão, formas e cores. Fomos as ruas colher inspiração, conhecer lojas de tecidos, centros comerciais e museus – O Museu Victoria and Albert tem um acervo de vestuário incrível – , construímos mood boards e, até, uma coleção.

Esses estudos foram ótimos e muito profundos, principalmente para pessoas que queriam conhecer o universo da moda e começar uma carreira nessa área. Os alunos eram de vários lugares do mundo, Coréia, Espanha, Dinamarca e Brasil – a maioria.

Aulas de inglês em Londres

As aulas de inglês foram perfeitas para aprimorar a língua, além disso, conheci as pessoas que fizeram minha alegria em Londres. O gostoso de estar em uma sala de aula com gente do mundo todo é que todos estão abertos para conhecer outras pessoas e culturas. Foi enriquecedor escutar as experiências de vida de cada colega e notar suas diferenças e particularidades. Tivemos uma professora ótima, que além de ser super simpática, também nos levou para passear. Fomos a um zoológico, ao bairro empresarial da cidade, a museus e ela conseguiu convites para as seletivas do X-Factor, na Wembley Arena, a sala inteira foi.

Tudo termina em cerveja – ou tequila, no caso.

Depois de todas as aulas os alunos e professores faziam uma excursão ao pub mais próximo, onde a gente comia hamburguês, bebia cidras – que é, sem duvida, a melhor bebida do mundo – cerveja e jagerbombs. Nos reuníamos e conversávamos naqueles bares íntimos e escuros, éramos em muitos, de muitos lugares diferentes e a interação entre as diversas culturas era incrível, conversar em inglês foi ótimo para meu aprendizado, fiz grandes amigos e vivi bons momentos.

E é claro que teve perrengue né? Como esperar Uma hora e meia o metrô abrir, no frio, porque o night bus não passava perto da minha casa, ter que dormir na poltrona da casa de uma amiga com mais 3 pessoas no quarto porque ninguém tinha como ir embora, rodar a cidade depois que os pubs fecham para encontrar alguma baladinha e se proteger de várias outras situações potencialmente problemáticas, afinal, eu sou brasileira e ando sempre com um pé atrás.

Quem puder ir, vá, sem medo e sem receios, é uma experiência única e maravilhosa.

Amigos lindos que fiz nessa temporada em Londres.


Intercambio Londres 2013 – Guia Completo:


1. Intercâmbio, Londres 2013 – Primeiras impressões

2. Minha experiência na Universidade de Artes de Londres

3. Os melhores bairros para passear em Londres.

4. Brighton e sua praia de pedrinha!

5. Dois Lugares Mágicos – Bath e Stonehenge.

Intercâmbio, Londres 2013 – Primeiras Impressões

Em 2013 eu estava no meu terceiro ano na faculdade de moda em São Paulo e tinha um desejo enorme de expandir meus horizontes, conhecer um lugar novo e praticar o inglês, antes de começar o TCC. Como nunca tinha viajado para o exterior – nem sozinha, nem acompanhada – resolvi fazer um intercâmbio com a ajuda da STB, que tinham uma agência na minha faculdade. Escolhi um curso de verão de Fashion Design e inglês em 30 dias, fiquei em casa de família em um lugar um pouco afastado de Londres, porque era mais barato. O que não foi uma boa opção pois naquela região os ônibus noturnos eram escassos, e se eu fosse ficar até mais tarde na rua, tinha que dormir na casa de amigos, ou pagar um táxi. Isso me “prendeu” um pouco, mas tudo bem, ao menos me sentia segura.

Naquela época viajar para o Reino Unido era mais fácil, entrei no país com o meu passaporte brasileiro e a imigração foi tranquila, era verão e isso facilitou as coisas. Voei direto de Guarulhos pela British Airways. Como não tinha experiência com viagens quis fazer tudo o mais calmo e fácil possível, voo direto, translado do aeroporto para casa, cartão de débito – em 2013 as taxas do cartão de débito eram bem baixas – (ao invés de dinheiro) , curso e acomodação fechados. A viagem bem tranquila e sem perrengues.

Carnaby Street

No primeiro dia eu nem descansei do voo, sai correndo para conhecer a cidade, comprei um Oyster card – com viagens ilimitadas por 30 dias – e desci na Picadilly Circus. Andando por lá encontrei uma ruazinha muito charmosa, cheia de letreiros e cores, camada Carnaby. O que eu não sabia era: essa rua é um ponto turístico muito importante na cidade de Londres, um espaço cheio de bares, restaurantes e lojas de marcas bem legais como Lazy Oaf e Dr. Martens. Nos anos 60 essa rua – que não entra carro – e as ruas em volta foram um espaço dedicado a moda, a cultura, a arte e a música eram as principais. Andei muitas vezes por ali e sempre encontrei algo novo.

Meu primeiro dia não parou acabou aí, sai de lá e peguei o metrô – ou o tube – para Camden Town, o bairro que mais queria conhecer.

Camden Town

Famoso por ter sido lar de Amy Winehouse esse bairro é incrível. Desci do metrô e logo vi muitas pessoas caminhando, percebi que a cidade estava lotada. Entre lojas, mercados e barracas de comida – de todos os países que existem no mundo -, encontrei brechós incríveis, vi pessoas de todos os tipos e lugares e os mais diversos objetos. De qualquer forma, o que mais me encantou foi a arte de rua, cada muro que via tinha um grafite diferente e único.

Acabei a noite em um barzinho com uma amiga brasileira e uns colegas dela, e de um dia para outro passei de uma menina que nunca tinha saído do continente para alguém que sentia que podia dominar o mundo. A sensação de liberdade foi uma das melhores coisas que experimentei nessa viagem. Estar completamente sozinha em um pais distante me mostrou que posso ter e fazer tudo que quiser.


Intercambio Londres 2013 – Guia Completo:


1. Intercâmbio, Londres 2013 – Primeiras impressões

2. Minha experiência na Universidade de Artes de Londres

3. Os melhores bairros para passear em Londres.

4. Brighton e sua praia de pedrinha!

5. Dois Lugares Mágicos – Bath e Stonehenge.